O IMATech é uma instituição brasileira que atua no desenvolvimento de pesquisas, metodologias e tecnologias para projetos pedagógicos em instituições de pesquisa e soluções para o ensino fundamental, médio e superior, incluindo universidades corporativas e treinamentos críticos. O Instituto foi redesenhado por Donizetti Louro em conjunto de Tânia Fraga e Ubiratan D’Ambrósio, professores e pesquisadores.

O IMATech iniciou suas atividades como IMABrazil - Instituto de Matemática e Arte de São Paulo em 1992, com o objetivo de contribuir com a Inovação e Pesquisa em Ensino e Aprendizagem no país. Em 1996 foi contratado por um grupo britânico para desenvolver soluções de inteligência didática com metodologias e sequências instrucionais mediadas por tecnologia da informação e comunicação, mas com os melhores equipamentos didáticos do mundo contemporâneo. As ações alcançaram notoriedade internacional na implantação de laboratórios transdisciplinares com metodologias e soluções de ensino personalizáveis em mais de cinquenta países.

Em 2000 no Congresso Internacional de Etnomatemática redefiniu seus objetivos estratégicos frente a internet das coisas. A partir de então seguiu como Instituto de Matemática, Arte e Tecnologia, ampliando suas pesquisas e atividades no desenvolvimento de tecnologias cognitivas para o ensino e aprendizagem, desenvolvendo eventos com foco em interfaces cérebro-máquina (BCI).

Em 2001 a iniciativa do IMATech ampliou-se e inaugurou o Laboratório de Didática das Ciências e das Tecnologias, o qual entre outras atividades no país coordenou os trabalhos de matemática da Teia do Saber no Estado de São Paulo. A vocação do CMAC, desde seu início, foi de viabilizar soluções para o ensino e aprendizagem, em constantes transformações metodológicas, objetivando a educação matemática, arte computacional e, paralelamente, inteligência artificial para crianças. Inaugurou nesse mesmo ano o [CMAC Family] Centro de Matemática, Artes e Ciências para a Família que trouxe em parceria com Equals Brazil e [LHS} Lawrence Hall of Science da Universidade de Berkeley, EUA.




Motivações

O DESEJO DO QUERER SABER E A EXPECTATIVA DO PODER FAZER


A última década evidenciou o sucesso no estudo e aplicação de metodologias de ensino com as tecnologias da informação e comunicação na educação. Vivemos nos domínios da interação e engajamento digital por interfaces mediadas por tecnologias cognitivas disruptivas, tais como simuladores computacionais, automação de processos visuais imagéticos, games participativos, robótica cognitiva, transcrição de voz e consulta de dados em tempo real, hipermídias alternativas, laboratórios virtuais interativos, ambientes de imersão e metaverso, entre outros.

As situações didáticas específicas, estabelecidas na consolidação do conhecimento científico, proporcionarão a aprendizagem como um fator de bem-estar físico e emocional no exercício da tomada de decisão de todos os indivíduos.


MÃOS A OBRA PORQUE TEMOS MUITO O QUE FAZER

Então, vamos auxiliar você na construção do seu futuro, pois as máquinas necessitam de inteligência humana específica, científica e artística, com muita criatividade e pensamento crítico (quantificação, mensuração, abstração).



Obstáculos

Um dos obstáculos contemporâneos na prestação de serviços educacionais é a falta de solução efetiva que tenha entendimento e compreensão da vida acadêmica do estudante e professor. A falta de visão de processos orientada por estrutura de dados pedagógicos, acadêmicos e administrativos, pensados a priori por quem vive essa realidade nas instituições, demonstram um grande impedimento para a inovação no ensino e aprendizagem, qualidade cognitiva criativa e continuidade de aplicação do aprendizado de nossos estudantes de forma geral.



Performance

Para se obter uma boa performance de pessoas, processos e tecnologias não é necessário adquirir equipamentos, mas deve-se ter um sistema cognitivo artificial, computável com dados validados e verificados com estrutura mínima necessária, para se realizar diagnósticos, acompanhamentos acadêmicos e socioemocionais, méritos de disciplinas, avaliações personalizáveis e aplicações por trilhas e sequências didáticas, todos esses requisitos baseados no comportamento cognitivo do estudante na sala de aula e nas atividades extra classe e extra curricular.




Programas e Projetos

A Missão do IMATech é proporcionar atividades pedagógicas de reencantamento das ciências e método científico para os estudantes e professores. Assessorar as instituições e seus profissionais em pedagogia digital e inteligência didática (metodologias e tecnologias) com foco em programas e projetos para o ensino e aprendizagem.

Os três programas do IMATech contemplam, a saber: o “Kids”, o Academy e o Club, conforme descritos na aba de Portfolio com possibilidades de soluções em desenvolvimento e um conjunto de registros de trabalhos realizados no Brasil e exterior.

Educar, Inspirar, Orientar.

Ser referência em EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA no ensino e aprendizagem por intermédio de programas e projetos de Matemática, Arte e Tecnologia com pensamento crítico e desenvolvimento de pessoas.

Estudar, Planejar e Apoiar instituições inovadoras com Metodologias e Técnicas para desenvolver a inteligência humana, bem como promover, descobrir, alinhar e realinhar habilidades com equidade, contemporaneidade, inteligências emocionais e artificiais.